quarta-feira, 17 de agosto de 2016

POEMA – ARRAIÁ DO FILOMENO:RESGATANDO COSTUMES





                I
O ARRAIÁ DO FILOMENO
QUER CHAMAR SUA ATENÇÃO
RESGATANDO COSTUMES
PRA GUARDAR NA TRADIÇÃO
POIS A HISTÓRIA DE UM POVO
FICA PRA TODA GERAÇÃO.
                        II
A HISTÓRIA DE UM POVO
É A HISTÓRIA DO SEU LUGAR
TUCUNS TEM SUA HISTÓRIA
E AGORA VOU LHE FALAR
O BAIRRO É GRANDE DEMAIS
E TEM MUITO A SE CONTAR.
                 III
A ORIGEM DE TUCUNS
POR SEU POVO É CONHECIDO
MUITOS PÉS DE TUCUNZEIRO
NO PASSADO AQUI FOI VISTO
E ASSIM TUCUNS FICOU
CONHECIDO NO MUNICÍPIO.
                    IV
O BAIRRO É MUITO GRANDE
E POR SEU POVO É CONHECIDO
TUCUNS DE CIMA, TUCUNS DE BAIXO
COM AS CAPOEIRAS FICOU CRESCIDO
O BAIRRO FOI AUMENTANDO
E OS TUCUNZEIROS DESAPARECIDO.
                    V
A RELIGIÃO DO NOSSO POVO
TAMBÉM QUERO AQUI CONTAR
UMA PARTE É A CATÓLICA
MAS TAMBÉM VOU LHE FALAR
ASSEMBLEIA DE DEUS É A OUTRA
QUE O POVO SEGUE A RESPEITAR.
   VI
NOSSO BAIRRO DE TUCUNS
TEM GENTE TRABALHADORA
TEM COMERCIANTE, VARANDEIRA
GENTE BOA E BATALHADORA
QUE MUITO CEDO SE ACORDA
PARA IR PARA A LAVOURA.
                
                        VII
SÃO MUITAS AS ATIVIDADES
QUE NOSSO BAIRRO TEM
TEM COSTUREIRA, TEM ARTESANATO
BORDADEIRA QUE BORDA BEM
TEM PESCADOR E AGRICULTOR
QUE TRABALHA COMO NINGUÉM.
                       VIII
NOSSO POVO NÃO SE ESQUECE
DO PASSADO, DA SUA HISTÓRIA
DAS TERTULHAS, DO FORRÓ ANTIGO
ELES GURDAM NA SUA MEMÓRIA
E DO POVO QUE NAS CALÇADAS
CONVERSAVAM ATÉ ALTAS HORAS.
                      IX
DO SANFONEIRO QUE ANIMAVA
E QUE ANIMA ATÉ AGORA
DO ZABUMBEIRO QUE TOCAVA
O FORRÓ ATÉ ALTAS HORA
NOSSO POVO NÃO SE ESQUECE
E GUARDA SEMPRE NA MEMÓRIA.
                         X
DAS BRINCADEIRAS DE CRIANÇA
QUE NO PASSADO AQUI HAVIA
JOGAR DE BOLA, BRINCAR DE CORDA
PASSAR ANEL, JOGAR DE BILA,
DA QUEIMADA QUE SE BRINCAVA
TODA CRIANÇA SE DIVERTIA.
                      XI
A ESCOLA NO PASSADO
NOS TUCUNS AQUI NÃO TINHA
A ESCOLA ERA NAS CASAS
POIS O PRÉDIO AINDA NÃO HAVIA
COM TAMANHA DIFICULDADE
AS CRIANÇAS AQUI APRENDIA.
                    XII
AQUI MORA MUITA GENTE
GENTE VINDA DE TODO LUGAR
MAS TAMBÉM SAI MUITA GENTE
PRA CIDADE GRANDE MIGRAR
MAS QUANDO BATE A SAUDADE
PRA SUA TERRA VEM VISITAR.
AUTORA: MARIA JOSÉ DE FARIAS


quarta-feira, 9 de março de 2016

Homenagem as mulheres - 2016



ELAS SÃO ÁRVORES...
Uma árvore.
Assim pode ser comparada a mulher.
Ela tem seiva viva e corrente em vasos placentários
Que alimentam a vida em si gerada.
Ela também, ao seu modo, por autotrofia
Fotossintetiza a luz do amor desmedido
Amamentando e provendo nutrientes
Ao ser dela brotado.
A mulher, qual árvore,
É regaço acolhedor
De sempre frondosa sombra
Que aquieta e alivia quando mãe,
Esposa e amiga companheira.
Seus frutos são o alimento
Revigorante das suas palavras
Que são dadas no tempo certo...
Elas, as suas palavras,
São amadurecidas,
Doces e suculentas...
As intempéries do mundo,
Como o vento forte das incertezas da vida
Que lhe abala e esvoaça arrancando suas folhas,
Pode até machucar-lhe, mas sua estrutura
Torna-lhe inabalável pelas raízes profundamente
Fincadas no solo dos que por ela são amados.
A mulher é o firme tronco familiar.
Qual árvore, a mulher obedece à estações...
Ela tem o seu outono quando suas lágrimas caem
Como as folhas na estação de suas dores...
Mas sua primavera é sinal do natural revigoramento
Que desabrocha em flor com seu sorriso...
As mulheres, são sim, verdadeiras árvores
Que arborizam e sustentam nossa vidas...
Feliz o homem que planta uma árvore...
... feliz o homem que tem uma mulher!

Por – Paulo Roberlando 

Declamada pelo mesmo na Missa em Ação de Graças do dia 08/03/2016.

segunda-feira, 7 de março de 2016

Orestes Albuquerque premiado pelo Ideal Clube



"Olá queridos amigos, como disse meu querido primo Clay, tive a felicidade de receber mais um prêmio de poesia do Ideal Clube, conforme texto que segue. Grande abraço a todos!"
Palavras do próprio autor.

SAIA DE RENDA
Quisera ser costurado
Na renda da tua saia
Pra quando fores à praia
Ir pendurado contigo
II
Imagino meu castigo
No fustigado do vento
No maior do sofrimento
Vento pra lá e pra cá
III
Meu velho querido mar
Me faça combinação
Não molhe meu coração
Na altura do babado
IV
Mantenha-se recuado
Durante o passeio dela
Não lhe passe da canela
Que não sou de aventura
V
Se a maré tiver altura
Traga a menina pra fora
Não lhe banhe com demora
Que posso me resfriar
VI
Peça a ela pra botar
Todo dia a mesma saia
De babado de cambraia
Pro vento me fustigar!!!

quinta-feira, 27 de agosto de 2015

Datas importantes posteriores a 1986 - Município de Cruz

As datas abaixo relacionadas foram organizadas a partir da pesquisa de alunos do Fundamental II das Esolas Públicas municipais de Cruz em Agosto de 2015. Algumas datas, segundo os alunos não tem total veracidade da informação.




DATAS POSTERIORES A 1986

1986 – Colação de grau da 1ª turma de 2º grau pedagógico nas Escola Fundamental São Francisco  - Escola das Irmãs.
1987 – Criação do Distrito de Caiçara – (22 de maio)
Inauguração da Biblioteca Pública Municipal
Construção do Cemitério Municipal;
1989 – Jijoca de Jericoacoara é desmembrada do Município de Cruz
Criação da Banda de Música Pe. Valdery. / Jubileu de Prata Sacerdotal do Pe. Manoel Valdery da Rocha
1990 – Construção do Monumento a São Francisco
Inaugurada a Capela Velório
1992 – Reforma da Igreja Matriz com a construção da Torre da Igreja;
1993 – Inauguração do Hospital Municipal de Cruz
1997 - Fundação da Rádio Comunitária 06 de Abril (24/09)
 25 anos de Fundação da Escola Fundamental São Francisco;
1996 - Inauguração do Centro Administrativo - Prefeitura Municipal, Câmara de Vereadores, Auditório e Secretarias.
1998 – Funcionamento inaugural da CAGECE em Cruz;
1999 – Instalação do 2º grau científico na Escola Estadual – EEFM São Francisco da Cruz.
2000 – Inaugurado o CEB Maria Pereira Brandão;
2003 – Primeira turma de Ensino Superior é graduada em Cruz
2004 – Inaugurado o Hotel Municipal de Cruz;
2008 – Apresentação do Documentário – Cruz, Nossa Gente, Nossa História
Criação da Central de Artes da Terra;
2009 –   125 anos da Festa de São Francisco – Padroeiro de Cruz (04/10)
40º Festa do Padroeiro de Preá - São José (19/03)
Vila Olímpica de Cruz
2010 – Jubileu de Prata Municipal (14/01) 25 anos de emancipação municipal.
·         Publicação do Livro Didático – História D'áqui
·         Apresentação da Arvore Genealógica das Famílias de Cruz – Elisabeth Albuquerque (11/01)
·         Homenagem a diversas Personalidades Cruzenses com apresentação de suas biografias e entrega de troféu honra ao mérito (10/01)
·         Tombamento do Tamarineiro – Planta símbolo do Quadro da Igreja Matriz  (Lei nº 368 de 07 de janeiro de 2010)
2011 – Iniciada a construção do Aeroporto de Jericoacoara em Cruz.
2011 – Inaugurada a EEIF Constância de Sousa Muniz.
2013 – Inaugurada a Academia da Saúde;
2014 – Jubileu de Ouro sacerdotal do Pe. Manoel Valdery da Rocha;
2015 – Inaugurada a Ponte de Lagoa Salgada 14/01;

Coletada e organizada por: 
Evaldo Vasconcelos.

Você leitor pode contribuir para as correções das datas aqui postadas podendo enviar um recado para este blog e ajudar a construir essa cronologia.

sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

Concurso de Poesias - Jubileu de Ouro Sacerdotal - Pe.Valdery

POESIAS VENCEDORAS




A Secretaria da Educação de Cruz, em reconhecimento pelo grandioso serviço prestado ao Município e a Paróquia de Cruz realizou uma singela homenagem ao Pe. Manoel Valdery da Rocha.
Nos meses de outubro e novembro de 2014, foi estudada a autobiografia de vida do Padre, Cônego, Monsenhor Manoel Valdery da Rocha. Esse trabalho foi protagonizado por 35 professores da área de Ciências Humanas do Fundamental II, nas aulas de história e Educação Religiosa com estudo da história local, em 21 escolas com aproximadamente 2000 alunos da rede pública municipal e particular.
Tal estudo foi aprofundado através da produção de centenas de poesias que foram pré-selecionadas nas escolas e enviadas uma cada instituição a Secretaria. Lá foram novamente avaliadas por uma comissão julgadora, composta pela Escritora de História – Gleiciane Freitas Silveira e pelo Poeta Orestes Albuquerque que selecionaram a que foi apresentada para o homenageado no momento de comemorações de seu jubileu de ouro sacerdotal, no dia 06/12/2014.

AO QUERIDO PADRE VALDERY


Peço a Deus sabedoria
pra que eu possa reunir
As informações da vida,
de um querido homem daqui.
Gente boa prestativa,
nossa padre Valdery

Manoel Valdery da Rocha
Nasceu no mês de dezembro
No ultimo dia do ano
Se agora bem relembro.
De família religiosa
Já nasceu bem dizer crendo

Desde de cedo demonstrou
Do sacerdócio vocação
E com trinta e seis anos
O filho de seu João
Em cerimonia ganhou
A santa ordenação.

Foi nomeado vigário
De São Francisco da Cruz
É diretor e professor
E a esses casos faz jus
Fundou as comunidades
De Aranaú a Cruz

Da apoio a muitas grupos
Entre eles os “vicentinos”
Participou da construção
Da capela de espinhos
Imbé, Frei Jorge, Belém
Barrinha, Cajueirinho.
Mas depois de tantas obras
Ainda tinha a vontade
De realizar um sonho
Pra nossa comunidade
Fundou a escola  “São Francisco”
Referencia em qualidade

E como se fosse pouco
Fundou rádio, fundou creche
Sendo culto e dedicado
Na educação investe
E além disso foi vigário
Em Sobral na diocese

É de muita importância
Sua colaboração
Pois é autor da bandeira
Também autor do brasão,
Lutou pra que Cruz tivesse
Sua emancipação.

Parabéns padre Valdery
Por sua dedicação
Que lhe conceda bênçãos
E Jesus a proteção
São os votos da escola demonstrando gratidão

Suely Nascimento – aluna do 9 Ano – CEB Maria Pereira Brandão – Sede – 1ª  Colocada no Concurso de Poesias em homenagem ao Pe. Valdery 




PADRE VALDERY NA HISTÓRIA

Começando a poesia
Falo com o coração
Manoel Valdery da Rocha
Exemplo de educação.

Nascido em um dia lindo
Li e ainda me lembro
Mil novecentos e trinta e oito
Em trinta e um de dezembro.

Na cidade de Morrinhos
Foi lá que ele nasceu
E sonhava em ser padre
Conto como aconteceu.

Seminário São José
Foi lá que ele estudou
Depois foi para Fortaleza
E lá mesmo se formou.

Em mil novecentos e sessenta e quatro
Em vinte de dezembro ocorreu
Celebrou a primeira missa
No lugar onde nasceu.

Agora ele é padre
Adotou Cruz como cidade
Com muito carinho e amor
Respeito e dignidade.

Uma rádio comunitária
Nessa cidade surgiu
E ele mesmo fundou
A Rádio Seis de Abril.

Mas não pense que só isso
Ele fez para ajudar
Já construiu muitas igrejas
E capelas para o lugar.

Obrigado padre Valdery
Por tudo que fez por Cruz
Agradeço a você
E também ao meu Jesus.


Autora: Carla Mayara Dutra - 8º ano
Aluna da E.E.F. Francisco das Chagas e Silveira - Poco Doce II - 2ª Colocada no Concurso de Poesias em homenagem ao Pe. Valdery 





CONHECENDO O CONHECIDO: PADRE VALDERY

I
Manoel Valdery da Rocha
É um homem exemplar
Nasceu em 31 de dezembro
No estado do Ceará
Morrinhos é a cidade
Que Valdery nasceu lá.

II
Filho de Lourival e Maria
in memoriam vou falar
Pois o sonho do seu filho
Era ser padre e levar
A palavra de Jesus
E todos a evangelizar.

III
Terminou os seus estudos
Ainda era muito novo
Pois desde muito cedo
Com os estudos era cuidadoso
Deixando assim seus pais
Muito satisfeito e orgulhoso.

IV
Em 6 de dezembro de 64
Foi conferida a sua ordenação
Celebrou a primeira missa
Com grande participação
Dia 20 de dezembro
Do mesmo ano então.

V
Ele veio para a cidade de Cruz
Em setembro do ano de 1965
Assumindo o cardo de vigário
Aqui deixo pra você escrito
E como Vigário Geral assumiu
A Diocese de Sobral em 2005.

VI
Com o apoio de grande equipe
Vem conseguindo realizar
Como pároco aqui de Cruz
Consegue não só evangelizar
Até o nosso município
Ele ajudou a emancipar.

VII
Foram muitos os seus feitos
Até uma rádio aqui fundou
Na construção de capelas
Nas comunidades ele ajudou
E para completar a igreja
O dízimo ele também criou.

VIII
Já se passaram muitos anos
E 50 anos de Padre ele faz
Queremos que daqui de Cruz
Padre Valdery não saia jamais
Pois um padre como você
Cruz não vai ter nunca mais
 

AUTORA: GABRIELA GENIÇA SOUSA CRUZ - ALUNA: 8 ANO B - TURNO: TARDE -
EEF FILOMENO FREITAS VASCONCELOSTUCUNS – 3ª colocada no Concurso de Poesias em Homenagem ao Pe. Valdery