domingo, 3 de abril de 2011

PEDRA 90


Foi um grande siribolo
A festa do Velho Zeca
Home levado da breca
Noventa ano nos côro
A festa foi um estouro
Presente de Aniversário
Convidamo seu Vigário
Pra trazer o sacramento
Muito cedo o movimento
Já batia no portão
O povo da região
Se espalhava no terreiro
Parecia formigueiro
De tanta gente que tinha
O Prefeito também vinha
Mandou a primeira dama
O Velho saiu da cama
Nos braços da filharada
Foi um dia de zuada
Pro Velho Zeca Muniz
O Padre mesmo quem quis
Fazer a missa pequena
Por conta do enfisema
Que maltrata seu pulmão
Subtraído o sermão
Já quase no fim da missa
Seu Zeca já com preguiça
De tanto beijo e abraço
Aparentando cansaço
Se escorava na bengala
Após um monte de fala
Dos filhos e convidados
Seu Zeca mesmo sentado
Fez um discurso de paz
Noventa já é demais
Sorrindo balbuciou
A festa continuou
Com almoço de carneiro
Fazer noventa janeiro
Merece mais do que festa
À noite teve seresta
Para homenageá-lo
Até ao cantar do galo
A barafunda se deu
Velho Zeca adormeceu
Cheio de contentamento 
Todo acontecimento 
Foi feito pela Salete
Rosa, Maria e Gorete
Zéairto e Zéoreste
Um ribuliço da peste,
Festa danada de boa!!!

Orestes Albuquerque - 02/04/2011

Homenagem poética de Orestes a seu pai Zeca Muniz por ocasião de seu aniversário de 90 anos.

2 comentários:

Orestes disse...

Caro amigo Evaldo, fiquei muito contente com a homenagem ao meu Pai, muito mais ainda, pela citação do meu "repente". Muitíssimo obrigado. Abraço grande!

Valderi disse...

É seu ZECA , merece mesmo, pois homem de exemplo como ele é , existem poucos, conhecê-lo foi uma vádiva de DEUS.


VALDERI NASCIMENTO.